SexLog

Meu nome é Kátia, tenho 39 anos e um corpo de dar inveja a muitas garotinhas de vinte. E só pra avisar, não sou de rodeios pessoalmente e muito menos na hora de escrever.

Sou loira e tenho uma bunda tamanho G de gostosa. Quando eu passo não tem homem que não olhe me desejando.

Só que eu sou casada. Muito bem casada, diga-se de passagem. Meu marido é lindo e tem 45 anos. Pena que ultimamente ele tem me deixado um pouco de lado por causa do trabalho que tem tomado todo seu tempo.

O problema é que eu sou uma mulher muito fogosa e se dependesse de mim, nós transávamos todos os dias. Mas é lógico que isto não acontece comigo.

Minha história começa no dia em que meu maridinho não pôde me levar ao trabalho. Nem lembro o motivo. Nesse dia eu tive que ir sozinha e como eu estava atrasada, chamei um Uber.

Quando eu entrei no carro… Meu Deus! Eu me deparei com um rapaz que praticamente exalava sedução! Como ele era lindo e forte, aliás muito forte! Usava camiseta que realçava ainda mais seus músculos. Sentei atrás e o impacto foi tão grande que não consegui tirar os olhos dele.

De repente percebi que ele também não tirava os olhos do retrovisor. Chegou a ajeitá-lo para ver minhas pernas disfarçadamente.

Como sou safada, abri as minhas pernas deixando ele ver minha calcinha. O rapaz quase enlouqueceu!! Ele me deixou no meu destino e continuou viagem. Claro que antes de partir, deixou comigo um cartão e disse pra chamá-lo sempre que precisasse.

É óbvio que eu iria precisar…

No dia seguinte não fiz nenhuma questão do meu marido me levar. Liguei diretamente para ele e solicitei que viesse me buscar.

Assim que ele chegou, sentei na frente. Ele estava de bermuda. Tinha as pernas mais lindas e grossas que já vi.

Perguntou meu nome e depois, sem perder tempo, se declarou dizendo que não tinha conseguido dormir pensando em mim. E que havia se apaixonado…

Ah, mas que papo furado! (risos) A verdade é que eu também não havia dormido pensando nele também. A esta altura já estava muito molhadinha. Começamos a conversar amenidades disfarçadas de tesão.

Desta vez não iria ao trabalho, afinal eu trabalhava por conta e poderia me dar ao luxo de faltar ou chegar atrasada. Eu me permiti a esta pequena loucura.

Ele parou o carro num estacionamento qualquer e disse que precisava me beijar de qualquer maneira. Estava torcendo por isso, mas fiz um charminho dizendo que não podia por ser casada. Ele nem ligou!

Mesmo eu dizendo isso, colocou a mão atrás do meu pescoço, me puxou com carinho pra sua boca deliciosa e me beijou muito. Que delícia de boca!!

Depois desceu pelo meu pescoço até meus peitinhos que já estavam durinhos de tesão. Abriu minha blusa e sem pensar, chupou meu peito de forma gulosa quase querendo engolir!! Eu já estava jorrando de tesão.

Ele, determinado em me comer, pegou minha mão e colocou bem em cima do seu pau duro. Colocou pra fora da bermuda e sussurrou no meu ouvido, pedindo para chupá-lo.

Era o que mais queria naquela hora. Caí de boca esquecendo completamente que era casada. Nunca tinha visto um tão grande como aquele! Encheu minha boca, chupei muito e depois desci com a língua até o saco. Ouvia ele gemendo e me chamando de puta…

Ele meteu dois dedos em mim e adorou ver o quanto eu estava molhada. Gritava de prazer enquanto ele metia os dedos com velocidade e ao mesmo tempo chupava meus peitos.

Que delícia! Eu não aguentei e gozei nos dedos dele. Em seguida, ele passou a empurrar minha cabeça para o meio de suas pernas. Comecei tudo de novo até que de repente ele se encolheu todinho e derramou um jato na minha boca! Chupei tudo, engoli tudinho, não deixei cair nada.

Ele amou…. Depois ligou o carro e me levou pra um motel.

Quando entramos, ele já estava duríssimo de novo e eu encharcada de tesão ainda. Tirou minhas roupas e me deixou peladinha.

Disse que queria comer minha bunda gostosa. Ah, que delícia! Aliás, meu sonho. Pena que o maridinho nunca se manifestava pra isso.

Ele me virou de costas e me deitou na cama. Só sentia aquela língua quente percorrendo minha bunda de fora a fora. Abriu minhas nádegas com avidez e mergulhou lá.

Eu aproveitei e rebolei na sua cara até ele perder o fôlego! Pela posição que eu estava, via ele tocando uma enquanto me chupava gostoso.

Em seguida, ele molhou seus dedos com saliva e me penetrou seus dedos, um a um, bem devagar até todos se encaixarem na entrada. Abri minha bunda com as mãos e dei a ordem: Manda ver!

Imediatamente começou a penetrar os dedos com força e velocidade. Minutos depois era seu pau que socava sem parar no meu rabinho. Que delícia era aquele homem!!

Praticamente não sentei naquele dia. Fiquei dolorida de tanto dar, mas valeu a pena cada minuto. Me viciei na prática, acredita?

Bem… De uns tempos pra cá só vou pro trabalho com meu “motorista particular”. Se o marido não está a fim de sexo todo dia, eu sei quem está…

Conto enviado/escrito por seguidora anônima.

Interessante, não é mesmo? Que tal outro conto erótico nesta mesma “vibe”? Então dá só uma espiadinha neste conto aqui que eu separei para você: Apenas Observando Minha Esposa. 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorO pretexto da Máquina de lavar
Contos Fetiche é um site de Contos Eróticos que reúne histórias reais de pessoas com mente aberta e que curtem compartilhar suas experiências de maneira despretensiosa. Todos os textos aqui publicados são contos enviados por nossos seguidores ou então adaptados por um de nossos editores.