Início Contos Casuais Aquele Zelador é uma tentação

Aquele Zelador é uma tentação

607
0
E-book Contos Fetiche: Histórias Deliciosamente Reais
Servi a água e me afastei o mais rápido possível. Ele deu um sorriso safado, percebendo que eu fiquei corada e com meus seios acesos. Quando me dei conta da direção de seus olhares, cruzei os braços e o levei até a porta.
Antes de sair, virou com um cartão e disse: “Se a senhora comprar o aparelho ainda hoje, me ligue que venho arrumar. Não se preocupe com o horário. Moro aqui mesmo, não será problema algum.”
Agradeci, peguei o cartão da mão dele e fechei a porta. Corri para o chuveiro para acalmar meus ânimos. Que homem gostoso!
Sai do banho, me arrumei e fui comprar o aparelho. Cheguei no final da tarde, deixei meu carro longe dos prédios, pois não tinha vaga perto do meu apartamento. Liguei pra ele e avisei que estava com o aparelho.
Novamente tomei outro banho e coloquei um vestidinho curto, soltinho no corpo. Prendi o cabelo, estava muito quente. Fui pegar minha bolsa e descobri que havia deixado ela no carro.
Desci para pegá-la, pois pelo tempo ele chegaria em seguida. Já estava meio escuro, abri a porta do carro e me abaixei para pegar a bolsa que estava no chão do carro na parte de trás do carona. Só que não me dei conta que o vento levantou meu vestido e fiquei exposta.
Levei um susto quando ouvi aquela voz atrás de mim: “A senhora precisa de ajuda?” Peguei a bolsa e  ajeitei meu vestido, totalmente sem graça. Ele estava lindo numa calça jeans desbotada e rasgada, uma camisa branca de malha  com gola V, marcando o corpo. Percebi discretamente que seu membro estava  se destacando.
Ele percebeu meu olhar, se aproximou e disse: “Ele está assim pelo lindo espetáculo que acabou de presenciar. Sua bunda é muito apetitosa.” E me olhava de um jeito que parecia um predador hipnotizando sua presa. Não tive reação alguma, a não ser ficar toda molhada, louca para tê-lo dentro de mim.
Então ele chegou mais perto e falou ao meu ouvido: “Quero te comer gostoso. Quero tudo! Até essa bundinha…” E mordeu minha  orelha, meu pescoço, meu queixo… O beijo veio inesperado, enquanto roçava aquele pau duro em mim.
Ele tem em torno de 1,80m e eu 1,50… Imagine a cena! As mãos dele percorriam meu corpo com urgência e propriedade. Logo seus dedos estavam dentro de mim me dando estocadas, enquanto sua boca se deliciava com meus seios.
Eu ali, totalmente entregue aquele homem, no estacionamento do condomínio… Disfarçadamente, ele me virou de costas e ouvi o zíper da calça abrir. Senti ele entrando com tudo, seu pau deslizando e me preenchendo completamente.
Empinei minha bundinha para que ele tivesse melhor acesso. Começou a falar putarias, enquanto socava com maestria, segurando meu cabelo e mordendo meu ombro. Só com aquelas palavras eu já gozei.
Quando estava prestes a ir para meu segundo gozo, ele me virou de frente, mandou que eu abaixasse e o chupasse. Escutava seus sussurros: “Vai, minha putinha! Coloca tudo na boca e mama gostoso… Vou te dar muito leitinho. Vê se não desperdiça nada, hein?”
Assim eu fiz: lambi, suguei, mamei… Até que senti ele vibrar e me preparei para o gozo que vinha. Explodiu morninho, cremoso, adocicado, uma delicia! Ele gemeu gostoso.
“Assim você acaba comigo.” Suguei até a última gota e quando não havia mais nada, ele me puxou e beijou minha boca. Sentiu seu sabor e me masturbou ali, me fazendo gozar mais uma vez.
Depois ele fechou o zíper e disse: “Agora vamos trocar o aparelho.” Sorri, já sem nenhuma vergonha e o segui até o meu apartamento. Deixei ele trocando o aparelho e fui direto pro banheiro tomar um banho.
Claro que deixei a porta encostada propositalmente. Não demorou muito, ele estava debaixo do chuveiro completamente nu. Foi aí que pude admirá-lo…. Suas mãos percorriam meu corpo, não mais com tanta urgência, mas aproveitando cada curva. Curtimos nossos corpos, o toque um do outro. Ele me beijou, me pegou no colo, o abracei com as pernas e ele meteu gostoso novamente. Ali mesmo, embaixo do chuveiro. Não demorei a gozar.
– Isso, minha putinha! Goza pro seu macho.
Essas palavras me deixaram alucinadas de tesão. Saímos do banheiro, ele me levou para o quarto, me secou, me colocou na cama e começou a me chupar. Enquanto isso, metia o dedo, a língua, acariciava minha bundinha e me fez gozar na sua boca.
Ainda não satisfeito com todo este show de sexo, me colocou de quatro e deu um tapa na minha bunda. “Quero essa bundinha… você me dá?” Só lembro que balancei a cabeça com um “Sim”, excitada pelo viria em seguida.
Recomeçou com um beijo lento e gostoso, enquanto suas mãos trabalhavam me excitando… Seus dedos entravam e saiam da minha bundinha, me preparando todinha. Ele foi extremamente carinhoso!
Começou a me penetrar bem devagar, com cuidado. Quando meteu a cabecinha, dei um grito. Ele parou e deixou que eu me acostumasse. E quando me senti segura o suficiente para continuar, comecei a rebolar bem devagarinho. Como se fosse um trabalho em equipe, ele foi empurrando tudo até ficar todo dentro de mim.
Respirei fundo, relaxei e depois que me acostumei, ele começou a entrar e sair bem devagarinho. Aos poucos foi aumentando o ritmo e logo ele estava socando gostoso na minha bundinha. Enquanto isso, seu dedos faziam mágicas na minha bucetinha.
Eu gozei mais uma vez, me desfazendo inteira. Dessa vez ele gozou junto, me enchendo com seu leite bem quente. Deixou minha bundinha toda ardendo… Aos poucos ele saiu de mim… Deitamos, ele me beijou com carinho e adormecemos.
Conto erótico enviado por seguidora anônima.
COMPARTILHAR
Artigo anteriorAquele ombro amigo
Próximo artigoHora do Almoço
Contos Fetiche é um site de Contos Eróticos que reúne histórias reais de pessoas com mente aberta e que curtem compartilhar suas experiências de maneira despretensiosa. Todos os textos aqui publicados são contos enviados por nossos seguidores ou então adaptados por um de nossos editores.