WhatsApp Loja Meus Fetiches

Todo recomeço é intenso! E esta é a nossa história…

Tenho um amante chamado Tony, o meu relacionamento com ele completaria 5 anos. Uma semana antes de comemorarmos essa data, tivemos uma discussão porque ele era muito ciumento. Resolvemos terminar.

Com isso, sentia tanta falta dele, ficamos algum tempo sem nos falar. Até o dia que o vi passando na rua, com aquele terno preto que amava, cabelo curto e barba muito bem feita. Ele não me viu, ou pelo menos fingiu que não.

Fiquei com isso na cabeça e resolvi ligar, disse que precisava resolver algumas coisas e que não poderia falar por telefone. Ele disse que estava com muitos afazeres, mas que eu poderia ir no outro dia ao trabalho dele na parte da manhã. Foi o que fiz.

Acordei bem cedo, entrei no banho com uma vontade descontrolada. Assim que ia me lavando, sentia que ia escorrendo tesão de mim. Era lindo de se sentir. Todos aqueles pensamentos em Tony vindo em minha cabeça e eu naquele banho quente. Gozei em poucos minutos, agora estava pronta agora para encontrar o meu macho.

Pensei que não poderia ser um dia como qualquer outro. Com más intenções, passei um perfume beijável na minha região íntima sabor de chocolate. Era mais um pretexto para ele colocar a boca em mim.

Também coloquei um espartilho vermelho que ele amava e fui de com uma saia sem calcinha. Estava pronta para fazer com que ele não esquecesse aquele dia por nada em sua vida.

Chegando em seu trabalho, liguei para seu celular e disse que estava no estacionamento. Ainda acrescentei: “Se eu fosse você, viria rápido”. Essa frase fez com que ele descesse do seu escritório em uma velocidade absurda. Assim que o vi saindo pela portaria, levantei os vidros do carro e deixei a porta destravada, tirei minha saia e fiquei esperando ele chegar.

Quando ele abriu a porta e me viu somente com aquele espartilho, vi o volume em sua calça crescendo em segundos. Ficamos hipnotizados, cada um olhando para a intimidade do outro.

Ele entrou no carro e disse que eu era louca. Respondi que sim, eu era louca por ele. Nesse momento ele colocou dois dedos em mim, só para sentir como eu estava molhada. Assim que sentiu minha vagina pingando, tirou o dedo, lambeu o meu mel e sentou para dirigir. Fui para o banco da frente, tirei seu cinto e depois abri o zíper. Estava muito difícil de abrir de tão apertada que estava.

Assim que consegui tirar seu membro dentro da sua cueca senti seu cheiro. Era doce e forte ao mesmo tempo, tão imponente e pingava de excitação também. Antes de colocar na boca, fiz questão de lamber cada gota de prazer que ele me dava. Quando ficou tudo sequinho, molhava de novo com a minha boca.

O caminho até o motel era curto, mas em nenhum momento parei de chupar seu pau. Chegamos, enfim. No estacionamento, ele me colocou em cima do carro e ali mesmo em cima daquele capô viu eu me sentia fervendo. Sua língua entrava em mim e quando saia fazia eu me tremer toda.

Me pegou pela mão e fez eu subir até o quarto. Devo admitir que não lembro de muita coisa do caminho, apenas a imagem do seu pau envergado. Estava tão duro que parecia que ia explodir, cá pra nós, eu queria muito que explodisse.

Assim que me deitei na cama ele me colocou de quatro e começou a me chupar novamente. Sentia que meu sexo pingava, era uma mistura de saliva e excitação. Eu implorava para ele meter aquele membro em mim…

Ele estava me castigando, falava que ainda não era a hora. A cada coisa que ele dizia, eu escutava um uivo, um chamado selvagem, um chamado que só ele sabia fazer.

Depois de um tempo de tortura, senti finalmente ele preparando aquele pau delicioso para entrar em mim. Passou a cabeça na entrada da minha vagina. A intenção era lubrificar, mas acabou de fazendo delirar de tesão.

Aquele movimento fazia todo meu corpo se arrepiar. Quando ele entrou, senti meu corpo gritando, berrando, gemendo e não conseguia falar mais nada.

A cada estocada que ele dava, eu me paralisava. Não conseguia me mexer e foi assim até eu atingir o orgasmo. Assim que eu gozei, o mundo parou e, ao fundo, uma voz falava para eu abrir a boca para eu tomar tudo.

Obedeci e senti algo quente descer por minha garganta. Cada jato que sentia em mim era seguido de um uivo do meu lobo alfa, aquele que manda na matilha.

Meu lobo alfa nunca mais esqueceu esse dia. Marcou nosso recomeço. Até hoje fala que essa surpresa vai ter volta. Estou esperando.

Gostou desta história? Quer ler outro Conto Proibido? Então clique aqui e confira o Conto Erótico “Meu Caso Secreto”.

Conto erótico enviado por seguidora anônima

Masturbador

COMPARTILHAR
Artigo anteriorO Corno do Meu Marido
Próximo artigoBanheiro de bar
Contos Fetiche é um site de Contos Eróticos que reúne histórias reais de pessoas com mente aberta e que curtem compartilhar suas experiências de maneira despretensiosa. Todos os textos aqui publicados são contos enviados por nossos seguidores ou então adaptados por um de nossos editores.