E-book Contos Fetiche: Histórias Deliciosamente Reais
Em um sábado desses eu estava em uma casa no litoral.   Havia marcado com uma mulher maravilhosa para nos encontramos início da noite. Na verdade havia pouco tempo que estávamos saindo, mas já nos conhecíamos há um bom tempo. Era o início de uma louca paixão… Na hora marcada, nos encontramos em um local próximo a minha casa e fomos de carro em direção à uma praia em um condomínio fechado, visto que eu sempre gostei de contemplar a natureza e praticar atividades ao ar livre.
A ideia era namorar um pouco, bater um papo e curtir a lua cheia que naquele dia alcançaria o seu ápice.  Deixamos o carro no estacionamento que ficava em frente à praia e nos deslocamos para a areia. Andamos uns 50 metros e ela pediu para voltar ao carro para pegar uma canga para forrar a areia.
Pegamos o tecido e nos afastamos das casas seguindo para uma parte mais deserta da praia. A lua estava linda, clareando toda a praia. Apesar da noite que já havia se abatido, a luz da lua tornava tudo muito claro e límpido. Estendemos o tecido no chão e nos sentamos um ao lado do outro  para contemplar o mar. As ondas quebravam na praia deixando a areia molhada, encharcada formando verdadeiros espelhos d água. A lua refletia nesses espelhos toda a sua beleza e todo o seu esplendor.
Aquela imagem parecia uma pintura, certamente uma imagem muito parecida com a que inspirou Vincent Van Goht a criar a obra A Noite Estrelada, uma verdadeira obra prima no campo das artes.
Como que hipnotizados nos tocamos timidamente… Conversamos sobre assuntos triviais, disfarçando todo aquele calor e o tesão que nos consumia. Nos demos as mãos e vez por outra eu passava as mãos em suas pernas acariciando a sua pele sempre bem hidratada e lisinha.
Em dado momento, surgiram como se oriundos de um filme épico alguns cavaleiros que montados em seus belos cavalos contemplavam também aquela lua magnifica. Esperamos os lendários cavaleiros se afastarem e começamos a nos tocar. Ela sempre me mandava mensagens quentes e em uma delas escreveu: “venha ver o tamanho da minha calcinha”. Tal frase era o estopim para o meu corpo ser tomado de reações que me levavam ao êxtase total. Meu corpo estremecia, meu coração acelerava fazendo com que o sangue circulasse com mais velocidade o meu corpo. Meu pênis irrigado com esse sangue extra que lhe fora enviado começava a crescer me dando ereções perfeitas.
Lembrando dessas mensagens, comecei a ficar excitado. Meu cacete já estava pulando da bermuda. Fiquei de frente para ela, toquei a sua nuca e a puxei para mim. Nossos lábios trêmulos se tocaram e nos beijamos loucamente, de um jeito urgente e apressado. Passei a mão pode dentro da sua roupa e pude sentir o tamanho da calcinha dela. Uma peça minúscula que deixava à mostra sua bundinha linda. Toquei as suas nádegas e depois passei a mão por dentro do seu short. Comecei a masturbá-la…tocando lentamente o seu clítoris já rígido de tanto tesão.
Massageei o seu grelinho deixando-a louca de tesão! Ela gritava, gemia e seu corpo se arrepiava todinho. Tirei o dedo da sua vulva e depois coloquei na sua boca para que ela sentisse o seu próprio gosto, o seu cheiro… Ela lambia os meus dedos enquanto suspirava, gemia. Enfiei novamente o dedo, já toda molhada, estava raspadinha, lisinha. Como eu gosto! Tirei no dedo de sua intimidade e coloquei na minha boca desta vez. Comecei a lamber e cheirar meus próprios dedos tentando me embrenhar naquele cheiro que tanto me atraia.
Ela começou a tocar o meu pau com suas mãos ágeis… Tocava os meus testículos e depois me masturbava de forma deliciosa. Como testemunhas apenas a lua e o mar… Ninguém por perto. Isso deixava o momento ainda mais inesquecível. A lua continuava a refletir toda a sua beleza nas águas do mar e nas areias da praia.
Tiramos a roupa e jogamos para os lados. Ela agora estava completamente nua. Seu corpo iluminados pela luminosidade das estrelas e pelo satélite natural mais belo que nós temos: A LUA!! Seus peitos pequenos que cabiam na minha boca, assim como sua bucetinha linda… Na verdade, era como naquela música: “o seu corpo inteiro é um prazer do princípio ao fim”!!!
Tomados de um desejo incontrolável, ela se deitou sobre a canga e eu me deitei sobre ela. Nos beijamos e eu passei a explorar seu corpo lindo. Chupei os seus peitos, lambia, beijava, acariciava…  Seus mamilos duros pareciam que iam me furar. Enquanto chupava os seus seios maravilhosos, tocava seu sexo que exalava tesão. Acariciei seu clitóris, envolvi a sua vulva com a minha mão fazendo uma leve pressão; ela começou a gemer mais alto e a chamar meu nome.
Desci beijando o seu corpo até chegar ao centro do prazer. Beijei carinhosamente o seu sexo, cheirei e lambi aquela ameixa exótica. Enfiei o nariz buscando sentir os mais íntimos dos seus cheiros. Isso me excitava demais e a cada beijo, cada lambida meu pau ficava ainda mais duro e latejava de tesão.
Aumentei o ritmo da língua até que ela gozou explodindo de prazer. Gozou olhando para a lua que iluminava aquela cena. Senti o seu néctar do prazer escorrendo pela minha boca. Ela ainda ficou parada por um breve momento, sorriu para mim… Sua expressão de prazer sob a luz da lua era algo maravilhoso de ver!
Depois do seu gozo ela começou a me chupar deliciosamente. Seus lábios envolveram meu membro e sua língua fez inúmeros movimentos que me deixaram completamente louco! Podia gemer à vontade, pois sabia que não havia ninguém para ouvir. Entreguei-me àquele momento…
Fiquei num ponto que não conseguia mais resistir. Me coloquei entre suas pernas e a penetrei num “papai e mamãe” maravilhoso, enquanto a beijava. Entre sussurros e gemidos, meu corpo ia num vai e vem frenético, entrando e saindo de seu sexo molhado. O orgasmo veio forte e gostoso, gritei de prazer enquanto a penetrava cada vez mais forte…
E então, a praia ficou calma outra vez. Debruçado sobre seu corpo ainda pude vislumbrar mais um sorriso daquela bela mulher. Era bom demais estar com ela! Descansamos um pouco olhando para o mar, extasiados com tudo o que tinhamos vivido. Depois nos vestimos e passamos a caminhar e correr na areia da praia, chutar as poças d’água como duas crianças… Passamos por um velho barco encalhado na praia, parecia uma pintura, um quadro… Nos encostamos no barco e nos beijamos mais uma vez…. Continuamos a passear naquela praia paradísica, um lugar mágico e esculpido pelos deuses.. “foi ali que nos apaixonamos” disse ela, certa vez…
Recolhemos nossas coisas e fomos embora. Nunca mais esquecemos aquele momento… Aquela Noite Estrelada de Van Goght…
Conto erótico enviado por T. B.
Gostou deste texto? Fique à vontade para comentar!
Visite também nossa página no FACEBOOK e nos acompanhe no INSTAGRAM.
Convidamos você a fazer parte de nossa Lista de Transmissão e receber diariamente dicas e novidades de nossa Loja Virtual. Entre em contato conosco pelo número: (11) 94392-4247  para ser adicionado em nossa Lista Vip.
Caso esteja lendo este texto pelo celular, CLIQUE AQUI e fale diretamente conosco.
COMPARTILHAR
Artigo anteriorA Noite Rosa – Conto Erótico
Próximo artigoA mulher do chefe – Conto Erótico
Contos Fetiche é um site de Contos Eróticos que reúne histórias reais de pessoas com mente aberta e que curtem compartilhar suas experiências de maneira despretensiosa. Todos os textos aqui publicados são contos enviados por nossos seguidores ou então adaptados por um de nossos editores.