WhatsApp Loja Meus Fetiches

A noite era fria e o tédio era enorme. A única saída talvez fosse um bate-papo no Facebook pra espairecer.

Já haviam se passado 48 dias desde o nosso ultimo encontro. Confesso que eu já estava começando a tirá-lo da cabeça. Mas o destino te faz lembrar… Ou vem o Facebook e coloca-o no seu topo do chat. A vontade é tão grande que você não se segura e acaba dando aquele oi. Duas emoções te percorrem: dúvida e tesão ao mesmo tempo.

E depois de uns minutos de espera e angustia, ele responde. Caio em suas garras novamente ou esquecia de vez? Eu continuei a conversa, e como de caso pensado, ele disse que estava cansado, que precisava de massagem. Provoquei! É pura natureza ser assim, mulher fatal, provocativa. Então eu respondi:

– Ah, se você veio pra descansar, então precisa de massagem mesmo!

Minutos de silencio, tempo de eu me enfiar no banheiro e me precaver de qualquer convite que eu possa ganhar. Estava online pelo celular, então liguei o chuveiro, arranquei a roupa e enquanto a água caia uma pausa pra olhar se tinha uma mensagem:

– Te pego daqui um pouco, vou me arrumar!

O susto foi tão grande que até os cabelos da minha alma se arrepiaram. Hora de se apressar e esperar a perdição da minha vida parar no portão. Em 10 minutos tomei banho e fui me arrumar. Eu estava bagunçada ainda, quando ele me mandou uma mensagem:

– To aqui na frente!

– Como assim? Que rápido! Me da cindo minutos pra trocar de roupa e eu já saio. – respondi.

– Pra que trocar, se eu vou arrancar tudo mesmo!

Em seguida, já no carro, querendo saber aonde a gente iria, ele vira pra mim e fala que tem um amigo que mora sozinho. Iríamos pra lá, pois ele emprestou a casa. Na hora meu sangue ferveu e eu percebi a intenção dele.

Chegando à casa do amigo, eu logo percebi que a casa não seria somente nossa. A intenção dele é que o amigo participasse da brincadeira. Mesmo não estando confortável com a situação, não deixei nenhum dos dois perceber minha frustração, meu medo ou meu nervosismo.

Conversamos muito e em determinado momento, eles começaram a me provocar para que eu entrasse no jogo. O problema é que eu estava com vergonha e sem saber o que fazer. Logo depois, o amigo dele saiu da casa pra fazer alguma coisa no quintal e ele me fez deitar na cama, debaixo das cobertas. Veio a calhar, estava um frio tremendo.

O amigo dele entrou de novo na casa e se deitou ao meu lado. Eu me senti a Dona Flor e seus dois maridos na mesma hora! Estava clara a intenção deles. Pensei: “Quer saber? Que se dane… Já estou aqui mesmo! Melhor se arrepender de algo que eu fiz do que ficar pensando em como poderia ter sido”. E ai me joguei numa transa com dois homens.

Beijei o amigo dele. Foi bom. Enquanto o amigo me beijava, ele tirava minha calça. Nessa hora os papéis se inverteram, ele veio me beijar e o amigo dele desceu pra me beijar lá em baixo. Meu corpo estremecia… Beijos e mais beijos em todo o meu corpo por duas bocas e duas línguas ágeis… Fui ao céu.

Meu homem, que eu já considero meu por todo prazer que me proporciona, tratou de enfiar na minha boca toda sua ereção. Recebi com todo prazer, com todo carinho, da melhor forma que eu sei fazer. Enquanto isso, seu amigo, mais que rápido já se encontrava dentro de mim com toda força. Eu nunca tinha feito aquilo, mas nunca me senti tão mulher como quando estava com os dois. Quando o amigo dele terminou, ele ainda estava na minha boca. Não perdeu tempo e escorregou pra cima de mim, me enfiando tudo, me fazendo gritar de tesão… Acho que até os vizinhos escutaram.

Eu segurava na cabeceira da cama, enquanto minhas pernas estavam nos seus ombros. Eu queria mais e pedia por isso. Ele me fez chegar ao orgasmo enquanto seu amigo olhava. Senti todo seu gozo em cima de mim quando ele gritou junto comigo.

Pausa para um banho, ainda sentindo orgasmos múltiplos. Fui para debaixo do chuveiro, me sequei. Não queria perder tempo! Dois homens ali pra mim, eu precisava de mais… Aquilo me deixou insaciável.

Sai do banheiro, pendurei meu sutiã na escada. Eis que o amigo me lança um desafio:

– Duvido me fazer gozar com a boca!

Ah, não! Não acredito que ele fez isso comigo!Tem-se algo que eu odeio é quando me desafiam. Eu aceitei. Comecei fazendo bem devagar, do jeitinho que eu sei que eles gostam. Coloquei-o todinho na minha boca, senti lá na minha garganta! Estava adorando aquilo… Adorando o ver tremer e gemer. Ai senti uma mão fazendo carinho na minha bunda. Gostei daquilo. Ele veio que veio me comer enquanto eu chupava o amiguinho dele.

Com toda disposição, quanto mais ele me comia, mais eu engolia o amigo dele. Trocamos de posição e o outro veio direto para entrar por trás. Ele foi tão carinho, veio tão devagar… Que não teve como recusar. Depois que já estava lá dentro, enfiou com toda força que podia. Eu não parava de chupar meu lindo e perfeito que gritava de excitação. Senti coisas que nem sei explicar. Minha bunda estava vermelha, com marcas de dedos, estava com roxos pelo corpo, mas estava adorando a sensação de ter dois homens ao mesmo tempo dentro de mim.  E os dois gozaram lá.

Depois, meu lindo me fazia carinhos no cabelo, deitado comigo na cama. Seu amigo pegou o violão e começou a cantar. Que voz linda! Não poderia ter terminado de jeito melhor! Os dois cantando pra mim músicas românticas depois de um sexo incrível.

Eles me deixaram em casa depois da noite maravilhosa que tivemos. As marcas ficaram feito lembranças.

Autoria: Anna M. – 28/05/2013

Gostou deste texto? Fique à vontade para comentar!
Visite também nossa página no FACEBOOK e nos acompanhe no INSTAGRAM.
Convidamos você a fazer parte de nossa Lista de Transmissão e receber diariamente dicas e novidades de nossa Loja Virtual. Entre em contato conosco pelo número: (11) 94392-4247  para ser adicionado em nossa Lista Vip.
Caso esteja lendo este texto pelo celular, CLIQUE AQUI e fale diretamente conosco.

Masturbador

COMPARTILHAR
Artigo anteriorA Tatuagem da Fênix – Conto Erótico
Próximo artigoGordinha Linda – Conto Erótico
Contos Fetiche é um site de Contos Eróticos que reúne histórias reais de pessoas com mente aberta e que curtem compartilhar suas experiências de maneira despretensiosa. Todos os textos aqui publicados são contos enviados por nossos seguidores ou então adaptados por um de nossos editores.