E-book Contos Fetiche: Histórias Deliciosamente Reais

Meu marido tem 30 anos,chama-se Carlos . Homem muito bonito e sensual.

Somos muito intensos na cama, onde nos completamos bem. Ele diz que tenho a bunda que ele sempre sonhou e eu adoro usar isso a meu favor…

Tudo aconteceu na festa de aniversário de um conhecido nosso, onde encontramos amigos de infância e ficamos bastante à vontade.

Como o clima estava quente, eu fui com um vestido e por baixo um conjunto de renda. Estava cheia de boas intenções para o final da festa com ele. Na verdade, estava louca para fazer sexo com ele! Tinha escolhido uma calcinha tão pequena e apertada, não só para provocá-lo, mas porque ela roçava meu sexo de uma maneira gostosa e que me deixava molhada toda vez que caminhava…

Meu marido se juntou numa roda, com amigos e eu fiquei em outra. A noite foi passando e eu estava chamando muito a atenção dos homens da festa. Acho que meu vestido estava denunciando tudo… Passei a observar e vi que era verdade. Numa outra rodinha eles estavam me apontando com os olhos e me comendo de cima a baixo. Aquilo me deixou com mais tesão ainda!

Pedi a ele que ficasse ao meu lado um pouco, mas ele disse que iria terminar um assunto com os amigos. Os olhares eram tantos que eu já estava me sentindo nua!

Fui percebendo que estávamos ficando por último na festa. Então chamei meu marido pra irmos embora. Ele continuava num papo acirrado com o dono da casa e o mesmo insistia para que ficássemos mais.

Nosso amigo e sua esposa nos ofereceram sua casa para passar a noite, mas preferi a carona dele para nos levar em casa.

Quando entramos no carro, meu marido entrou e se deitou no banco de trás do carro. Quase nem se mexia direito, todo sonolento. Enquanto se virava pra falar com meu marido, percebi Sergio olhando minhas pernas.

Fiquei vermelha, tentei disfarçar, mas gostei e até me subiu um calafrio. Quando ele foi passar a marcha, esbarrou de leve no meu joelho. Recolhi a perna rápido e ele pediu desculpas, me olhando daquele jeito maroto.

Ele se virou pra ver o Carlos e voltou pra olhar para as minhas pernas. Fiquei até assustada e com tesão, pois nunca tinha sentido aquilo antes. E por estar sentada, meu vestido subiu muito, deixando minhas pernas muito mais à mostra. A calcinha apertada estava quase cortando meu sexo… Sentia ele se dividindo no meio do tecido fino.

O medo pedia para a viagem acabar logo, correr pra minha casa e me proteger, por outro lado o tesão estava tomando conta e pedia para viagem continuar. Notei várias vezes ele me observando pelo canto do olho…

Ele freou bruscamente o carro e avisou:”chegamos”.

Sergio disse que seria melhor ajudá-lo a entrar e dar um banho frio, pra ver se ele melhorava. Ele sorriu, mas resistiu e disse que não precisava de banho. Queria ir direto pra cama.

Resolvi levar Carlos para o quarto que ficava no outro andar . Fui subindo a escada para mostrar o caminho. Sergio ficou parado ao pé da escada, segurando meu marido, olhando pra cima. Naquela posição estava com uma visão privilegiada.

Voltei a sentir calafrios e não sabia se voltava, se continuava a subir. Resolvi continuar a subida na escada. Meu vestido encurtava a cada passo que eu dava… Sentia que os olhos dele estavam grudados em minha bunda.

Entrei no quarto, acendi a luz e indiquei a cama.Fui arrumar lençóis e fiquei surpresa quando vi encarando meu decote. Estávamos bem perto um do outro e nossos olhares se cruzaram. Desviei o olhar, apesar de estar toda molhada. Ele despediu-se de meu marido, que logo adormeceu de tão bêbado que estava.

Ao descer, fui entregar uma cerveja para a “saideira”. Ele segurou minha mão junto com a lata e olhou nos meus olhos. Tentei puxar, mas segurou firme e se aproximou ainda mais. Voltei a forçar pra soltar minha mão e ele não soltava.

Foi se encostando de leve. Estava quase perto, levou a outra mão pela minha cintura, foi me puxando. Não esbocei reação, mas também já não conseguia mesmo (e nem queria, pra falar a verdade).

Recebi um beijo na boca e correspondi ofegante. Tentei falar, ele voltou a me beijar. Senti pela primeira vez o volume em suas calças pressionarem meu sexo. Senti meu néctar escorrer pelo meio das pernas de tão excitada que estava…

Ele começou a beijar meu pescoço e voltava na minha boca.

Estávamos na sala. O medo do meu marido aparecer ali era imenso, mas o clima estava bom demais para ser cortado. Continuou a me beijar e a lamber o pescoço. Aquela língua quente estava destruindo meu juízo…

Ele foi descendo e mordiscando meus ombros por cima da alça do vestido. Fez a volta, ficou por trás de mim, levantou meus cabelos longos e começou a mordiscar minha nuca… Estava arrepiada e molhada. Sentia seu pau duro esfregando em mim. E eu arrebitando a bunda para sentir melhor seu volume!

Suas mãos acariciaram e seguraram meus peitos. Sentia a respiração ofegante dele no meu pescoço.

Ele afastou as alças de meu vestido e deixou cair, até chegar aos meus quadris onde ficou preso. Puxou o sutiã de lado, expôs meus peitos e mexeu neles, torcendo os biquinhos e deixando mais durinhos ainda.

Foi me virando e lambeu um de cada vez, depois começou a chupar. Estava toda lambuzada neste momento. Segurava sua cabeça enquanto ele mamava nos meus biquinhos.

Então ele foi descendo e beijando, me pediu pra virar de costas. Obedeci hipnotizada. Assim,ele começou a puxar o vestido, fazendo cair no chão.

Estava beijando minha bunda, arrebitei pra facilitar suas carícias e ainda afastei minhas nádegas para sentir sua língua me explorando em cada pedacinho secreto. Neste ínterim, acabou de tirar meu sutiã.

Aquilo era uma loucura e tanto! Abri seu zíper, onde pude ver o volume enorme saltar de dentro da calça. Ele puxou minha cabeça, hesitei um pouco, mas com a insistência eu o beijei por cima da cueca.

Ele segurou minha cabeça e  pude sentir seu cheiro. Não resisti e abri a boca, com caricias por cima da cueca. Percebi que a cada carícia, mais excitado ele ficava.

Ele foi esfregando o mastro no meu rosto. Fui lambendo, molhando e depois engolindo inteiro. Senti ele fazer movimentos com os quadris pra ajudar, vi que ele iria gozar. Gemeu forte e veio o jato na minha boca, fui mamando tudo sem deixar uma gota cair no chão. Ele se contorcia todo, mas continuou ereto (para minha alegria).

Logo depois fez eu sentar no sofá, abriu bem minhas pernas e me chupou com tanta maestria que quase gritei de tanto prazer. Rebolei gostoso no seu rosto, lambuzando com meu mel. Não resistimos tanto tesão! Fiquei de quatro e ele me penetrou imediatamente.

Seu mastro entrou com a maior facilidade porque eu estava praticamente encharcada! Ele parecia um animal em cima de mim. Gozamos juntos, gemidos abafados, corpos suados.

Logo ele se levantou e disse que precisava ir e que , se fosse  de meu agrado, nos veríamos mais vezes. Eu me vesti rapidamente, completamente saciada!

Por pudor, medo de viver ou qualquer outra coisa , acabei por declinar do convite. Esse é o meu segredo. Nunca mais nos vimos, mas também nunca mais esqueci esta cena.

Conto erótico enviado por uma seguidora anônima.

Gostou deste texto? Fique à vontade para comentar!
Visite também nossa página no FACEBOOK e nos acompanhe no INSTAGRAM.
Convidamos você a fazer parte de nossa Lista de Transmissão e receber diariamente dicas e novidades de nossa Loja Virtual. Entre em contato conosco pelo número: (11) 94392-4247  para ser adicionado em nossa Lista Vip.
Caso esteja lendo este texto pelo celular, CLIQUE AQUI e fale diretamente conosco.
COMPARTILHAR
Artigo anteriorAffair na praia
Próximo artigoOrgias de um sedutor!
Contos Fetiche é um site de Contos Eróticos que reúne histórias reais de pessoas com mente aberta e que curtem compartilhar suas experiências de maneira despretensiosa. Todos os textos aqui publicados são contos enviados por nossos seguidores ou então adaptados por um de nossos editores.