Eu me chamo Jaqueline e tenho 34 anos. Estou casada pela segunda vez com um homem maravilhoso há aproximadamente seis anos. Moramos numa cidade provinciana do interior do Paraná. Residimos numa boa casa na cidade, mas também tínhamos um sitio afastado 10 km da cidade.
Cesar era um homem ativo, muito trabalhador. Basicamente nunca deixou que me faltasse nada, mas mesmo assim tinha a impressão que faltava algo. Este algo no fundo eu sabia o que era! Nós tínhamos uma parceria legal na cama, mas dentro dos padrões. Sempre ficava  com um gostinho de quero mais.
Sou uma mulher que curtiu as conquistas. Sabe aquele lance do jogo de sedução? Gosto de me sentir desejada. Na verdade sempre enjoei fácil dos meus objetos de desejos. Sou louca é pela guerra das conquistas de sedução.
Certa vez surgiu a necessidade de contratarmos alguém para trabalhar no nosso sitio. Tínhamos muitas criações: gado, cavalos, galinhas e até porcos de raça pra venda. Com isso, nós não estávamos dando conta de tanto serviço. No dia 13 de agosto de 2012, apareceu um candidato indicado por um amigo do meu marido, que precisava trabalhar e sabia lidar com a terra e com os bichos.
Á primeira vista, achei o rapaz bonitinho, mas muito mal tratado pela vida. Resolvemos contrata lo. No dia seguinte, Pedro já estava a postos de mala e cuia. E assim o tempo foi passando. Dois meses depois, Cesar precisou viajar pra resolver problemas familiares e também pra dar um tempo, pois nossa rotina estava péssima.
Fui obrigada a passar mais tempo no sitio. Consequentemente passei a ter uma maior convivio com Pedro. Eu e ele começamos a passar muito tempo do dia juntos. Ele era 10 anos mais jovem que eu. Era muito timido e calado, mas aos poucos foi se soltando.
Meu sitio era um lugar muito agradável, tinha uma casa enorme e um açude imenso. Um dia pedi a ele que limpasse um pasto que estava muito alto ao redor da cerca e do açude. Ele obedeceu! Ele era ótimo em obedecer e eu excelente em mandar….
Lá de cima, me lembro como se fosse hoje, dei uma olhada no que ele estava fazendo, e o vi sem camisa com o peito, braços, ombros e barriguinha de fora. Também usava uma camisa feito bandana amarrada na cabeça pra se proteger do sol. Estilo perdido no deserto, sabe? Todo molhado de suor, batendo com força o mato com o cabo da foice.
Ali eu fiquei babando… Daquele dia em diante foi o bastante pra disparar meu dispositivo de tesão. Não tirei mais ele da minha cabeça. Comecei a imaginar como seria aquele  homem grande, tímido e lindo (porque agora eu já o via com muito tesão) na cama comigo. Ou transando em qualquer lugar!
Demorei alguns dias amadurecendo a ideia e a minha vontade. E também estabelecendo minhas estrategias, afinal a intençao já estava certa. Já nao me lembrava mais do pobre Cesar. Só pensava em como iria conseguir o que eu queria. Meu instinto de predadora arrebentou as correntes da decência estabelecida pela sociedade machista e se soltou! Cheia de fome!
Todos os dias tínhamos uma rotina e nisso estava incluso a limpeza das cochias dos cavalos. Foi lá que escolhi para da o bote! Por volta das 8:30 da manha, depois do cafe, cada um seguiu pra suas tarefas. Eu fui pro meu quarto me preparar. Eu já estava toda depiladinha, coloquei um sutiã que deixava meus peitos lindos e coloquei um vestidinho curto, soltinho e com um detalhe: não coloquei calcinha! Estava me sentindo uma delicia!
Tomei o rumo das cochias. Quando cheguei o vi dentro de um dos estábulos com uma pá na mão  fazendo a limpeza, todo suado. Ele era lindo, alto, branco, cabelos pretos soltos, olhos castanhos, ombros largos, braços fortes e rústicos. Tinha mãos com veias grandes aparecendo e mostrando toda força que já havia feito na vida. E as pernas então? Tesão puro!
Me aproximei e perguntei se ele tava muito cansado. Ele me olhou de cima a baixo e me respondeu que estava um pouco. Aquele dia estava muito quente. Isso ajudava ele estar mais suado que o de costume. Então disse que se ele quisesse poderia tirar a camisa. Bom menino… Assim ele fez!!
Na maior malícia do mundo, falei que naquele dia em especial eu tinha levantado com muita vontade de andar a cavalo e se ele poderia preparar um cavalo bem mansinho pra eu poder dar uma volta… “Prontamente!”, ele disse. E foi preparar o tal cavalo. Quanta inocência!
Demorou uns 10 minutos. Ele voltou com as rédeas  de uma égua bem mansa que tínhamos no sitio e se aproximou. Eu perguntei se poderia me ajudar a subir, pois eu estava com dor nas minhas pernas. Ele concordou. No momento que ele se preparou pra me dar as mãos pra que eu pudesse apoiar meus pés na subida, de proposito levantei o meu vestido. Queria que ele visse o quanto ela estava lisinha…. Olhei bem nos olhos dele e percebi que tinha laçado um garanhão.
O tesão foi imediato! Eu me debrucei sobre ele e o beijei. Foi um beijo quente ardente e molhado. Daqueles que você não consegue mais parar de beijar. Ele retribuiu com a mesma intensidade. Me agarrou com força e ja me levou pra dentro do estabulo. Perdi o juízo de vez!
Ele me encostou na parede de madeira, abriu minhas pernas com as pernas dele e levantou meu vestido. Me olhou por alguns segundos com um olhar de admiração e desej louco. Ele meteu sua lingua bem no meio, procurando meu sexo com toda a sede do mundo. Fiquei completamente alucinada de tesão.
Nos minutos que se seguiram, ele me chupou muito e muitas vezes. Levei minha mão em sua calça. Apertei com força e o senti duro, latejando! Tirei todo meu vestido diante de seu olhar incrédulo. Ele me olhou por inteira, segurou meus seios e me disse que eram lindos e sussurrou que desde o primeiro dia que tinha me visto tinha desejo de mamar neles.  “Então faça isso agora”, falei gemendo.
Revidei abrindo o zíper de sua calça jeans. Seu membro saltou para fora, completamente duro. Ali fiz um boquete louco! Fiz com tanta vontade, coloquei ele todo em minha boca… Estava tão bom e gostoso que perdi a noção do tempo. Só parei porque ele implorou, pois estava prestes a gozar.
Voltamos a nos beijar muito. Estávamos em transe. Deitei na palha, abri minhas pernas e mandei ele vir colocar tudo em mim. Pedro veio com vontade e força. Enorme… Eu gemia e pedia mais! Ele estocando cada vez mais rápido… Pensa que acabou aqui? Não!
Tinha ainda mais pra ele. Fiquei de quatro e me arrebitei toda. Pedro veio ate mim, bem devagar e foi colocando aos poucos até chegar ao fim. Nossa! Foi bom demais! Gozei muito e gostoso! Matei aquela fome que me matava! Deixei a culpa de lado. Preferi viver bons momentos…
Continuamos a nos encontrar todos os dias. Cesar nunca desconfiou… E nós nunca mais esquecemos aquele dia. E cá estamos até hoje…
Conto Erótico enviado por leitora anônima.
Gostou deste texto? Fique à vontade para comentar!
Visite também nossa página no FACEBOOK e nos acompanhe no INSTAGRAM.
Convidamos você a fazer parte de nossa Lista de Transmissão e receber diariamente dicas e novidades de nossa Loja Virtual. Entre em contato conosco pelo número: (11) 94392-4247  para ser adicionado em nossa Lista Vip.
Caso esteja lendo este texto pelo celular, CLIQUE AQUI e fale diretamente conosco.