Quero contar para vocês mais uma das minhas histórias. Essa história envolve um casal e voyeurismo.

Certo dia, chegando ao trabalho, pego minha escala de aulas e vejo o nome de uma nova aluna: Carla. Era já tinha habilitação, mas tinha medo de dirigir. A aula dela era a última, de noite.

Segui meu trabalho normalmente até que chegou o horário da sua aula. Percebi nela uma mulher triste, sem brilho, que não se arrumava, mas era linda. Uma loira, de cabelos pouco acima dos ombros, olhos azuis, baixinha, com uma cinturinha de dar inveja a outras mulheres e um bumbum que ficaria lindo se ela soubesse se valorizar.

Apresentei-me e cumprimentei como de costume. Começamos a aula em um lugar mais tranquilo. Dei as orientações, perguntei se ela pegava o carro e me disse que de vez em quando dirigia só com o marido.

Estava dirigindo muito bem, como se fizesse aquilo diariamente e isso foi me intrigando. Pedi para parar a aula e quis conversar com ela sobre o motivo pelo qual estava ali fazendo aulas se já dirigia tão bem. Então ela me disse o que a maioria das mulheres casadas dizia: que o marido não dava apoio e a criticava sempre que dirigia. Como eu não criticava e a deixava mais a vontade conseguia desempenhar bem ao volante.

Então eu falei a ela que o problema não era a parte técnica e sim emocional, que se o marido não a apoiasse não daria certo nunca. Vi os olhos dela se encherem de lágrimas e a acalmei, dizendo que iria ajuda-la a superar isso e não se importar com as críticas dele.

Voltamos à autoescola e ela disse que no dia seguinte teríamos aula, pois fez um pacote comigo. As aulas foram passando e ela dirigindo bem, como foi na primeira aula, mas com uma diferença. Ela parecia outra mulher! Estava vindo à aula toda perfumada, roupa mais atraente, de maquiagem. Juro (pela primeira vez) que não vi segundas intenções e sim fiquei feliz por ela, pois estava se sentindo confiante como mulher.

Tempos depois, a última aula chegou e ela veio com um shortinho branco, uma blusinha amarela bem transparente e provocante. Eu ainda sem perceber nada até que veio a surpresa.

Ela me falou que eu tinha a ajudado muito em sua autoestima, inclusive isso ajudou no relacionamento com o marido, dizendo que estavam muito bem e que o aniversário de casamento deles estava chegando.

Carla pediu um presente ao marido, ele aceitou e a pediu para escolher, mas que dependeria de mim. Fiquei meio sem entender, até que vem esta frase:

“Eu quero você de presente de casamento”. Eu paralisei e fiquei com aquela cara de interrogação. Ela me disse que o marido sempre teve a vontade de vê-la com outro, mas como o casamento estava péssimo, nunca levou em consideração essa hipótese.

Disse que não poderia aceitar até por receio de não conhecer o marido, mas ela insistiu dizendo que marcaria apenas mais uma aula para tentar me convencer.

No dia seguinte, quando chego para aula, lá está ela com o marido. Ele me cumprimentou e perguntou se poderia acompanha-la na aula. Eu concordei. Chegando ao carro ele me questionou se a Carla tinha falado comigo e eu acenei com a cabeça que sim.

Os dois ficaram tentando me convencer. Ele dizendo que só iria olhar e ela implorando pelo presente, pois se não fosse comigo não seria com mais ninguém. Já estavam com tudo planejado, escolheram motel, dia, hora e perguntou se eu poderia. Respirei fundo, olhei para eles e disse que aceitaria com algumas condições e topamos.

No sábado me ligaram pela manhã para confirmar. Disse que a noite passaria no prédio deles e iríamos ao motel. Cheguei no horário combinado, eles saíram com o carro do prédio e fui seguindo eles até o motel. Chegando lá, parei meu carro na rua, entrei no carro deles, os cumprimentei e entramos.

Já no quarto, eles pediram champanhe, bebemos, eles se beijaram… E o marido disse a ela: “goze bastante olhando pra mim, enquanto ele judia de você”.

Agora sim! Aquilo me excitou demais! Eu me sentei na cama, ele na poltrona ao lado e ela veio em minha direção. Segurou forte no volume da minha calça, me beijou e disse que gozou o dia todo pensando em nós dois. Percebi que ele abriu o zíper e começou a se tocar.

Coloquei a mão entre as pernas dela e percebi que sua calcinha estava totalmente molhada e toda quente. Eu tirei a minha camisa e a blusa dela enquanto nos beijávamos. Carla me empurrou para deitar na cama e começou a tirar minha calça. Logo em seguida mordeu minha cueca e foi tirando com os dentes.

Eu estava louco de vontade, afinal o marido vendo a cena toda quieto, enquanto a esposa chupava meu pau. E ela chupo com muita vontade enquanto se despia totalmente. Quando eu a vi nua não aguentei e inverti a posição, a deitando e começando a chupa-la.

O clitóris dela estava tão duro, molhado e não demorou muito para que gozasse. Senti aquele sabor escorrendo pela minha boca… Tão doce, com tanta quantidade.

Nesse momento coloquei a camisinha, ela já se posicionou de quatro, com sua visão em direção do marido, este que já estava quase para gozar. Carla disse que queria apenas fazer anal. Nesse momento o marido dela se pronunciou me dizendo que ela gosta de sentir dor. O pedido deles era uma ordem pra mim, pois queria que tivessem uma boa festa de aniversário de casamento. Encaixei a cabecinha do meu pau e empurrei com toda força e vontade. Ouvi um grito de dor e prazer. Não parei um só momento, colocando com toda força, pressionando meu corpo contra o dela. Enquanto puxava seus cabelos, colocava sua cabeça para trás para ver sua carinha de prazer.

Não me contive e a vontade de gozar era enorme! Até que então eu comecei a gemer e ela percebeu, se virou correndo pra mim e pediu para que gozasse em sua boca. Gozei absurdamente enchendo sua boca, seu rosto, seus seios do leite quente que jorrava do meu pau. Ela me olhava com uma carinha de safada, de realizada… E então outra surpresa! Ela se virou para o marido e pediu para que ele limpasse a bagunça que fiz. Os dois começaram a se beijar, ele lambendo o rosto dela, os dois se lambuzando.

Vi que era o momento do casal, então fui tomar meu banho enquanto ouvia os gemidos dos dois. Após sair do banho, ainda de toalha, sentei no canto da cama. Os dois estavam abraçados, começamos a conversar e rir da situação. Agradeceram-me, dizendo que estavam completamente felizes e que eu seria marcante para sempre no casamento deles.

Ele foi tomar um banho. Ainda ganhei outra chupada maravilhosa e fomos embora com uma nova experiência para nós três. Essa foi a última vez vi o casal, mas espero que estejam felizes e aprontando bastante!

Autoria: Contos do Instrutor

Gostou deste texto? Fique à vontade para comentar!
Visite também nossa página no FACEBOOK e nos acompanhe no INSTAGRAM.
Convidamos você a fazer parte de nossa Lista de Transmissão e receber diariamente dicas e novidades de nossa Loja Virtual. Entre em contato conosco pelo número: (11) 94392-4247  para ser adicionado em nossa Lista Vip.
Caso esteja lendo este texto pelo celular, CLIQUE AQUI e fale diretamente conosco.