Não sou do tipo mulherão, mas chamo atenção por onde passo.

A história que vou contar se passou na época em que fiz minha faculdade. Tinha ,mais ou menos uns 30 anos.

Como é bastante comum com o pessoal da faculdade, todo fim de semana havia uma festinha na casa de alguém. E estas festas sempre davam o que falar, pois além de serem regadas com muita bebida sempre rolavam aventurinhas entre os colegas de classe.

Eu ainda não tinha carro e por isso fui de carona com uma colega que, lá pelas tantas, se engraçou com um rapaz e me perguntou se eu me viraria para ir embora.

O Mateus foi logo se oferecendo para me levar, pois minha casa ficava no caminho.Aceitei na hora , pois ele parecia , um tanto , inofensivo.

A festa estava animada,porém tínhamos aula no outro dia seguinte. Fiquei preocupada do Mateus se empolgar na festa e não querer ir embora. Pude relaxar quando ele disse que seria logo.

Passou alguns minutos e ele veio ao meu encontro para irmos embora.Estava acompanhado de Felipe,que também queria carona.

Fomos para o carro. Felipe  foi para o banco de  trás. No caminho, estávamos animados a ponto de contar histórias sobre o pessoal da sala.Tipo , quem tinha saído com quem , ou seja, sexo.

Eles começaram a contar suas histórias de aventuras com as meninas da faculdade e quando chegou a minha vez de responder , apenas neguei.

O assunto fez com que os bicos dos meus seios ficassem duros. Não conseguia disfarçar o meu tesão.

Mateus perguntou se eu não tinha algum tipo de fantasia com alguém da faculdade, ou , mais precisamente, da sala de aula.

Neste momento ,senti uma mão acariciar as minhas coxas.Ele parou de alisar, pois teve que parar o carro para que Felipe descesse eentrasse para casa.

Tão logo o carro entrou em movimento. Senti sua mão, novamente, entre minhas pernas.Elas se abriram, automaticamente , ele começou a subir até chegar na minha calcinha.Onde roçou , levemente, o dedo nos grandes lábios.

Estremeci e pedi para ele tirar a mão , neste momento ele agarra meus peitos e morde o meu pescoço bem de leve.

Aquilo parecia um código secreto, porque abri, mais ainda, minhas pernas.

Ele tinha muita habilidade com seus dedos. Ao mesmo tempo que beijava, tinha colocado minha calcinha de lado e estava enfiando dois dedos lá dentro.

Antes de chegar em casa ele decidiu parar o carro em uma rua sem saída,onde , mal desligou o carro,levantou minha blusa e começou a chupar numa fome desmedida meus grandes peitos que estavam de fora.

O Mateus tirou seu membro pra fora. Eu já estava com bebida na cabeça, aquele cheiro de homem dentro do carro e,me desejando… não precisava de mais nada. Não perdi tempo, fui bater uma punheta gostosa pra ele enquanto ele chupava meus peitos.

De repente ele puxa minha cabeça em direção ao seu sexo. A posição exigia uma chupada bem dada. O tesão me consumia, pelo proibido, vontade e a descoberta de um colega de faculdade que , eu sequer , havia notado, tinha atração por mim.

Estava bem abaixada para poder chupar  e lamber com calma,porém minha bunda ficou bem exposta, onde ele ora enfiava o dedo em meu sexo , ora chupava seus dedos com meu lubrificante.

Quando percebi que ele estava quase para gozar na minha boca, parei e voltei a bater uma gostosa punheta.Enquanto isso ele ia reclinando o banco, disse para ficar de quatro apoiada no banco reclinado. E mandou empinar a bunda.

Dentro daquele carro achei que não íamos se encaixar de jeito nenhum, mas, com uma destreza ele se aconchegou por trás de mim , também de quatro, ergueu , com as duas mãos minha bunda , encaixou seu pênis na entrada do meu sexo e enterrou até o fundo… senti até os braços formigando.

Era muito tesão.

Com movimentos fortes e seu pênis indo , sempre  até a base. Gozei em segundos, que cheguei a perder a voz. Saía da minha boca um sussurro apenas…

De repente, parece que bateu um cansaço, uma vergonha… lembrei rapidamente que ele era meu colega de faculdade e que amanhã iríamos nos ver. Como encararia isso?

Só não bateu o remorço…porque ele me fez urrar de prazer.

Ah, velhos tempos de faculdade.

 

Fonte:Conto erótico enviado por uma seguidora anônima.

E então, gostou deste texto? Comente logo abaixo o que achou desta aventura.

Quer ver seu texto publicado aqui em nosso blog?

CLIQUE AQUI E ENVIE SUA HISTÓRIA!

Convidamos você para visitar nossa página no FACEBOOK 

e também nos acompanhar através do INSTAGRAM.

Diariamente muitas novidades para você! 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMinha primeira vez
Próximo artigoNa madrugada tudo acontece
Contos Fetiche é um site de Contos Eróticos que reúne histórias reais de pessoas com mente aberta e que curtem compartilhar suas experiências de maneira despretensiosa. Todos os textos aqui publicados são contos enviados por nossos seguidores ou então adaptados por um de nossos editores.