Ola, eu me chamo Duran (42) e minha esposa Barbarella (38), nomes fictícios, é claro. Igual a vários casais, tentamos sempre fugir da monotonia do casamento inventando algo para apimentar. Vou contar uma das nossas fantasias.

Tenho um numero de outra operadora de celular. Sou representante e levo um celular extra na minha mochila, mas não divulgo esse numero apenas como segurança. Nem minha mulher sabia.

Um dia, comecei a mandar umas mensagens para minha esposa, me passando por um conhecido que admirava ela. Após uns dias ela me contou que tal de Lorenzo mandava mensagens pelo Whatsapp. Ficamos nesta brincadeira ate que ela se tocou, mas mantivemos a fantasia. Este cara teria sido “indicado” por uma amiga para quando ela estivesse precisando “aliviar a tensão”. Seria só chama-lo.

Vira e mexe trocamos umas mensagens de sedução, charminhos e ate desabafo do parceiro (a) já rolou. Certo dia, justamente naqueles em que ela estava atacada, mandou uma mensagem para o tal Lorenzo querendo marcar um encontro. Ficaram arquitetando e marcaram para o dia seguinte após o almoço no apartamento dele.

A noite veio. Para mim disse que no dia seguinte nos encontraríamos no centro para almoçar e que logo depois ela teria um compromisso. Na hora já me veio frio na barriga, mas disse “tudo bem”.

O dia chegou. Nos dois nos encontramos ao meio dia. Durante o almoço agimos normalmente. Ela falou que estava com um pouco de pressa porque passaria numa loja. Aproveitei e disse que iria então voltar para o escritório, mas na verdade fui para nosso apartamento.

Preparei o quarto deixando bem escuro, acendi velas e um abajur com lâmpada amarela que temos. Coloquei à mão nosso “Kit sacanagem” (como chamamos nossos produtinhos eróticos), vesti apenas uma cueca boxer mescla, porque sei que ela gosta e uma bandana no rosto para disfarçar a identidade.

Esperei-a no sofá quanto tocou a campainha. Fui ate a porta e abri, mas fiquei atrás sem aparecer. O apartamento estava escuro também. Direcionei-a para o sofá, sentamos lado a lado. Ela não me olhou nos olhos, não falamos nada…

Apenas coloquei a mão um pouco acima do seu joelho e fui subindo, a outra mão segurei na sua nuca fui perto do seu pescoço. Subi a bandana da boca e comecei a chupar o seu pescoço. Nesse momento, minha mão já estava no meio das suas pernas. Não aguentei e demos um beijo bem forte! Coloquei novamente a bandana no rosto, me levantei pegando sua mão e levei ao quarto. Joguei-a na cama, tirei a sua calça e já comecei com um sexo oral.

Falei para ela:

– Feche os olhos, não quero olhe para mim…

Estava encharcada, lambuzei toda minha boca. Subi e dei mais um beijo. E que beijo! Ela lambeu meu rosto todinho, depois se abaixou, arrancou minha cueca e chupou meu pau. Chupava realmente forte ate que não aguentamos e metemos com força, tudo bem melado, bem gostoso… Segurávamos-nos forte, fazendo pressão corpo com corpo. Depois de um tempo ela pediu de quatro, fizemos mais um pouco aonde veio o primeiro orgasmo dela. Caiu deitada de barriga para baixo.

Aproveitei a posição e coloquei dois travesseiros debaixo da sua barriga, deixando sua bundinha empinada. Fiquei de cócoras atrás dela e coloquei bem fundo em seu sexo. Ambos adoramos esta posição. Acabamos gozando juntos.

Ela se vestiu, não olhou para mim e foi embora para o trabalho.

À noite nos encontramos. Perguntei como foi a sua tarde e ela me respondeu:

– Ahh, foi bem legal…

Fonte: conto erótico enviado por um casal anônimo muito criativo.

E então, gostou deste texto? Comente logo abaixo o que achou desta aventura.
Quer ver seu texto publicado aqui em nosso blog?
Convidamos você para visitar nossa página no FACEBOOK 
e também nos acompanhar através do INSTAGRAM.
Diariamente muitas novidades para você!