E-book Contos Fetiche: Histórias Deliciosamente Reais

Por motivos de trabalho e estudo, eu e minha esposa nos vemos apenas aos finais de semana.

Ela é uma mulher negra, 49 anos de. Ela se cuida bastante e não parece ter a idade que realmente tem. Corre, faz academia e tem uma alimentação balanceada. Como atributos físicos, tem um bumbum lindo, durinho, com uma forma arredondada e empinada que me deixa louquinho. E também tem seios grandes e convidativos.

Eu tenho aproximadamente a mesma idade e não faço feio: participo regularmente de corridas, pratico Pilates e eventualmente academia. Não posso dizer que tenho um porte atlético, mas estou em plena forma. Corpo definido, sem barriga… Ou seja, somos dois coroas em cima!

No último fim de semana nos encontramos na sexta feira após uma semana distantes. Ela me aguardou chegar da faculdade. Enquanto eu fazia uma revisão da aula que acabara de assistir, ficou desfilando pela sala com uma calcinha linda que deixava sua bundinha linda em evidência.

Dei uma olhadinha e meu cacete ficou logo em ponto de bala, mas continuei o meu plano de estudos. Ela fez algumas coisas na cozinha, voltou com uma taça de vinho e alguns petiscos. Depois me deu um beijo no cangote e me ofereceu o vinho que aceitei prontamente.

Dei um uns goles, devolvi a taça para ela dizendo que iria tomar um banho e voltaria em seguida.

Tomei um banho quente e usei um óleo hidratante que gosto bastante. Revigorado e sobretudo cheiroso, voltei para a sala. Desta vez deixei os livros de lado e coloquei em meus braços a minha bela mulher com pele de ébano.

Sentamos no sofá e começamos a nos beijar loucamente, como dois adolescentes. Era como se tivéssemos começado a namorar há pouco tempo, apesar de tantos anos juntos. Dei um beijo de língua enquanto minhas mãos passeavam por sua bunda e e vagina que estava quente e molhadinha.

Coloquei meus dedos dentro de sua calcinha e percebi que ela estava toda molhadinha. Seu sexo estava completamente raspado e lisinho do jeito que eu gosto. Enfiei o dedo e depois coloquei na minha boca para sentir aquele gosto que me deixa cheio de desejo. Ela gemia e se apertava contra mim. Sua respiração ofegante dava o tom daquele momento que desejamos durante toda a semana.

Após lamber meus dedos lambuzados daquele mel tão peculiar, introduzi mais uma vez o dedo em sua vagina. Ela implorava para eu tirar senão gozaria imediatamente, pois já estava quase explodindo de tanto prazer. Como não queria que gozasse logo, tirei o dedo e o coloquei na sua boca para que sentisse o seu próprio gosto. Ela lambeu o meu dedo e deu mais um gemidinho fazendo uma carinha de safada.

Ainda no sofá, tirei a sua calcinha e fiquei ajoelhado no chão. Enquanto isso, ela abriu suas pernas e me ofereceu a visão de sua vagina raspadinha e clitóris saliente que parecia saltar!

Comecei a fazer um oral delicioso. Passei a língua por seus pequenos e grande lábios, chupando e beijando seu clitóris. Fazia isso olhando em seus olhos e me certificando dos efeitos dos meus movimentos. Ela adora quando eu a beijo naquele lugar… Beijava lentamente sua bucetinha enquanto passava o dedo na entrada do seu ânus. Não enfiava, apenas massageava a entradinha deixando-a louquinha de desejo.

Ela abria mais as pernas expondo ainda mais aquela parte tão íntima e bela do seu corpo. Eu enfiava a língua fazendo movimentos circulares. Ela gemia e empurrava ainda mais a minha cabeça contra seu corpo.

Preste a gozar, ela pediu para chupar meu pau que a essa altura já estava duro feito pedra. Não me fiz de rogado e fiquei em pé na sua frente. Ela pegou na minha bunda e começou a chupar deliciosamente o meu pau. Enfiava todo na boca e depois começava a passar a língua em meus testículos me levando ao delírio.

Com delicadeza, colocava novamente na boca e ia enfiando todinho fazendo uma garganta profunda. Ainda com as mão na minha bunda, começou a passar o dedo no meu ânus enquanto lambia e chupava o meu cacete. Senti uma sensação de prazer indescritível. Naquele dia ela estava disposta a quebrar tabus, pensei!

Resolvemos sair do sofá e fomos terminar na cama o que começamos no sofá da sala.

Ela se deitou sobre mim e começou a roçar o seu clitóris na minha perna. Como estava depilada o seu clitóris ficava mais exposto, saliente e, por consequência, mais sensível. Enquanto ela fazia isso eu beijava, lambia, chupava e apertava seus seios lindos! Ela gemia. Depois ficou de costas para mim apoiando as mãos na parede e empinando a bunda em minha direção.

Me posicionei atrás dela e comecei a pincelar meu cacete duro e grosso na portinha da bundinha dela. Eu roçava em sua bunda enquanto apertava seus seios e beijava a sua orelha e ouvido. Com a boca colada no seu ouvido a chamei de puta. Dei um tapa na sua bunda e senti o seu desejo aumentar cada vez mais. Dei outro tapa e ela deu outro gemido de prazer.

Ela se virou e ficamos desta vez de frente para o outro. Comecei a bater com o meu cacete. Sua respiração já estava descompassada. Beijei sua boca com sofreguidão ao mesmo tempo que batia com o meu pau naquela buceta deliciosa que ardia de prazer.

Ela começou a respirar ainda mais forte e disse que estava gozando… Intensifiquei as investidas e o beijo. Ela explodiu em um gozo maravilhoso, me apertou contra si, estremeceu e se jogou na cama extasiada, plenamente satisfeita.

Comecei a me masturbar e ela empinou a sua bunda. Comecei a cheirar como se fosse um cachorrinho, até que gozei lançando o meu esperma quente sobre as suas costas. Estávamos satisfeitos! Então me limpei e a deixei totalmente plena,serena e segura de si…

Da porta do quarto dei mais uma olhadinha para aquela mulher maravilhosa que já dormia e voltei para os livros… O fim de semana estava apenas começando.

Conto erótico enviado por seguidor anônimo.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorAquele gato da academia
Próximo artigoMeu Caso Secreto – Conto Erótico
Contos Fetiche é um site de Contos Eróticos que reúne histórias reais de pessoas com mente aberta e que curtem compartilhar suas experiências de maneira despretensiosa. Todos os textos aqui publicados são contos enviados por nossos seguidores ou então adaptados por um de nossos editores.