Certas aventuras ficam na memória apenas. Algumas são tão absurdas e improváveis, mas não deixam de ser excitantes. Como foi o caso desta vez em que fui numa festa com uma amiga e terminei a noite de maneira inusitada.

Nós duas estávamos numa balada, só que estava um pouco chata. Minha amiga já estava com um cara aos beijos pelos cantos. E pelo jeito estava bom, pois ele não largava dela nem um minuto.

Apesar de estar vestida para arrasar, a bordo de um vestido muito curto e salto alto, eu me encontrava completamente sozinha e entediada. Não via a hora de ir embora, já que não havia nenhum homem interessante por lá.

Na metade da festa, resolvi voltar para casa. Então me dei conta o quanto tinha gastado demais…

Quando o táxi parou na minha frente, abaixei o corpo e fui falar com o motorista. Para minha surpresa, um homem com certa idade, mas muito charmoso. Se estivesse na festa, com certeza iria paquerar com ele e até dar uns bons beijos naquela boca de homem safado.

Perguntei se poderíamos chegar num acordo quanto à quantia em dinheiro que eu tinha. Provavelmente não daria para chegar a casa, mas poderia me deixar em um lugar mais próximo e eu pediria para alguém vir me buscar.

Ele assentiu e abriu a porta para mim. Disse para sentar ao lado dele e sair logo da rua, afinal hoje em dia tudo está tão perigoso… Entrei, fechei a porta e ele partiu. Até então, nada demais.

Conversa vai, conversa vem… Um bate papo muito agradável, por sinal e nem me dei conta que ele começou a fazer um caminho diferente. Percebi que ele passou a me olhar de um jeito insistente… Confesso que isso me excitou profundamente, apesar do iminente perigo da situação.

Ele não parava mais de olhar para minhas pernas. Fingia que não notava, mas começava a ficar nervosa com isso. Pelo canto do olho percebi certo volume na sua calça e…

Entendi tudo quando ele entrou numa rua toda escura e sem movimento nenhum. Parou o taxi. Então, assustada, perguntei:

– Por que parou?
– Porque agora eu vou brincar com você. E se tentar fugir, eu vou te pegar!
Quando ele falou isso, fiquei em estado de choque e a primeira coisa que veio à cabeça foi dizer:
– Senhor, por favor, não! Deixa-me ir embora!
– Não, agora eu mando aqui!

Não adiantava resistir. E mesmo se desse, eu não queria. Gostei do cara e agora estava na hora de entrar no jogo dele. A possibilidade de fazer sexo com alguém completamente estranho e num lugar perigoso me deixava arrepiada de medo e tesão.
Estava quase chorando quando ele manda:
– Levanta esse vestido que eu estou louco pra te ver nua!
E eu obedeci. Fui tirando meu vestido com certa dificuldade, pois estava no carro. Puxei o suficiente para ele ver minha calcinha minúscula praticamente escondida no meio de minhas coxas grossas. Visivelmente ele enlouqueceu a me ver assim.
– Agora puxa esta calcinha para o lado, vai. Deixa eu te ver.
Então eu puxei o fio dental bem devagar, deixando à mostra meu sexo lisinho e cheio de vontade.

Ele tirou seu membro pra fora da calça e mais parecida uma pedra! Nossa! Como aquele homem estava excitado! Provavelmente deveria ter uns 23 cm… Era enorme! E eu adoro isso…

Não pensei duas vezes diante da ordem dele de começar a chupá-lo. Comecei a gostar da situação! Fiz um sexo oral nele como nunca tinha feito antes. Só ouvia seus altos gemidos dentro daquele carro… Sentia suas mãos ágeis e atrevidas me virando do avesso. Seus dedos entravam e saiam do meu sexo num ritmo frenético e constante. Definitivamente, ele sabia masturbar uma mulher…

– Agora vai para o banco de trás e abre bem as pernas.

Ele abriu a porta e começou a me chupar ali mesmo, naquela posição… De quatro, toda aberta! Chupava com maestria. Não consegui me conter diante daquela língua tão quente e habilidosa e acabei gozando na boca daquele motorista.

Ele apenas riu ao ver minha cara de satisfação. Entrou novamente para o carro, sentou no banco e colocou uma camisinha.

– Senta em cima, agora! E só para depois que você gozar mais vezes como esta… Foi o que eu fiz! Acomodei-me aos poucos naquele mastro gigante e senti-o meter com toda a vontade em mim. Metia com força, cheio de tesão… Vai e volta alucinante. Acelerava e diminuía o ritmo, mas não parava!

Fez-me gozar varias vezes daquele jeito! O carro balançava de uma maneira muito louca… Simplesmente não dava pra parar! Nem eu queria… Desejava aquele cara cada vez mais dentro de mim.

Ele pediu para ficar de costas para ele. Apesar de a posição ser meio desconfortável, ele se ajeitou e meteu com mais força ainda, me levando a mais um orgasmo. Quando ele avisou “vou gozar” senti-o todo pulsante em meu sexo molhado. Só gemia e falava o quanto aquilo era bom…

Depois disso ainda brincamos mais um pouco. Sorte nossa que aquela zona era estritamente residencial e não circulava ninguém naquelas horas por lá.

Ele me deixou em casa logo em seguida. E assim começou uma série de transas inesquecíveis com este cara que até hoje me leva à loucura.·.

Autoria: Conto erótico escrito por Alessandra A.

Gostou deste texto? Fique à vontade para comentar!
Visite também nossa página no FACEBOOK e nos acompanhe no INSTAGRAM.
Convidamos você a fazer parte de nossa Lista de Transmissão e receber diariamente dicas e novidades de nossa Loja Virtual. Entre em contato conosco pelo número: (11) 94392-4247  para ser adicionado em nossa Lista Vip.
Caso esteja lendo este texto pelo celular, CLIQUE AQUI e fale diretamente conosco.
COMPARTILHAR
Artigo anteriorAdrenalina – Conto Erótico
Próximo artigoGostinho de “Quero Mais” – Conto Erótico
Contos Fetiche é um site de Contos Eróticos que reúne histórias reais de pessoas com mente aberta e que curtem compartilhar suas experiências de maneira despretensiosa. Todos os textos aqui publicados são contos enviados por nossos seguidores ou então adaptados por um de nossos editores.